Se você trabalha como manicure, deve saber que, além da beleza, a segurança e saúde também são essenciais. Não apenas para suas clientes, como também para si. Pensando nisso, listamos neste post 5 bons motivos para manicures usarem luvas e, depois, uma dica de qual o melhor tipo de luva para essa profissão! Confira:

1. Prevenção de doenças contagiosas

Você sabia que a micose pode ser transmitida por contato? Pois é! Caso atenda um(a) cliente sem a devida preparação e proteção, pode acabar ocorrendo contágio e até mesmo passando para outras pessoas.

E não é apenas a micose que pode ser transmitida, apesar de ser uma das doenças mais comuns nas unhas você também pode acabar se expondo à hepatite C, AIDS, entre outras. As luvas descartáveis são essenciais para proteção durante o trabalho de manicure.

2. Higiene

O uso de luvas de proteção descartáveis e a lavagem correta das mãos antes e depois de atender clientes faz toda a diferença.

Profissionais da área de manicure e pedicure utilizam ferramentas diversas para lidar com as unhas e, mesmo depois de terem feito a higiene correta de suas mãos, podem acabar entrando em contato com fluídos corporais. Isso pode acontecer durante a remoção de uma cutícula, por exemplo. O uso de uma luva que impeça o contato direto do fluído com a pele do profissional promove um aumento na higiene e proteção. O uso de uma luva que impeça o contato direto do fluído com a pele do profissional promove um aumento na higiene e proteção.

3. Profissionalismo

Ser atendido por um(a) profissional que utiliza todos os equipamentos necessários para manter seu serviço em alto nível de qualidade com certeza é um diferencial.

O uso das luvas de proteção descartáveis mostra cuidado, atenção e, acima de tudo, profissionalismo. Fidelize seus clientes mantendo o hábito de utilizar luvas descartáveis em seus atendimentos.

4. Bem-estar do cliente

Nem sempre a pessoa sendo atendida fica confortável com o toque direto das mãos de outra pessoa. Às vezes, o contato pode causar oleosidade, entre outras coisas. Quem sofre de hiperidrose palmar também se sente mais confortável quando é atendido por um profissional com luvas.

O uso de luvas de proteção pelo(a) profissional de manicure e pedicure pode levar o(a) cliente a sentir-se mais seguro e confortável.

5. Proteção individual

Como podemos observar ao longo desta postagem, a proteção não é uma via de mão única. Ao usar luvas para fazer manicure ou pedicure em alguém, você está se beneficiando e protegendo sua saúde, aumentando a higiene e até o conforto nas situações que envolvem o seu trabalho.

O tipo de luva mais adequado para manicures

Levando em conta diversos fatores de proteção, qualidade e conforto, o tipo de luva atualmente mais indicada para manicures são as luvas de látex ou de nitrilo. Elas oferecem mais resistência, agilidade, sensibilidade tátil e segurança na hora de realizar os procedimentos.

A Supermax conta com uma linha de luvas nitrílicas pink, azuis e pretas, conferindo também uma estética bonita para quem as utiliza. São ideais para quem possui alergias ao látex, assim como a luvas de procedimento Powder Free.

Mas se preferir a clássica de látex com pó, também pode contar conosco: nossa luva lisa é muito utilizada por profissionais de saúde de todo o mundo. Confira nosso portfólio.

A Supermax Brasil apoiará o projeto Formando Atletas e Cidadãos, do Clube Santa Mônica, através da Lei nº 11.438/06. Chamada também de Lei do Incentivo ao Esporte, a norma estabelece benefícios fiscais para pessoas físicas ou jurídicas que doarem até 1% sobre o valor total do Imposto de Renda para programas desportivos. O foco será a formação de atletas na natação. Em conjunto, a Supermax também patrocinará a nadadora curitibana Rafaela Trevisan Raurich, que está se preparando para competir nas Olímpiadas de 2021 em Tóquio.

O projeto Formando Atletas e Cidadãos é uma iniciativa de cunho social, cujo objetivo principal é formar e desenvolver jovens de baixa renda que tenham talento para serem atletas de alto rendimento na modalidade aquática.

O Santa Mônica Clube de Campo possui mais de 55 anos de atuação e é um dos locais mais importantes para a cena sociodesportiva e cultural do Paraná. Com infraestrutura física adequada e privilegiada para a prática de diversos tipos de esportes, hoje dá acesso a cerca de 602 crianças, adolescentes e adultos à prática esportiva através do projeto Formando Atletas e Cidadãos. Dentre os esportes oferecidos a natação é considerada um esporte completo, que além da melhora as capacidades físicas influencia positivamente nas relações sociais.

Sobre a esportista

Rafaela Raurich no Campeonato Brasileiro Infantil de Inverno, onde foi campeã em diversas categorias. Foto: Photo Swim

A nadadora Rafaela Trevisan Raurich treina no local. Com apenas 12 anos de idade, já havia conquistado seu primeiro troféu como melhor atleta da categoria no Campeonato Sul Brasileiro. Hoje, com 20 anos, possui um currículo esportivo recheado de conquistas pelo Brasil e também pelo exterior: a atleta já competiu (e ganhou) em Chipre, Israel, Peru, Estados Unidos, Chile e Buenos Aires. Rafaela recebeu também prêmios, incluindo o de Orgulho Paranaense como melhor atleta do Paraná pela Secretaria de Esportes e Turismo do Estado do Paraná.

Lei do Incentivo ao Esporte e saúde

A Supermax Brasil entende a importância do esporte em relação à promoção de bem estar e mais saúde para todos. Atua há 20 anos no Brasil, atendendo diversos segmentos, mas principalmente na área da saúde com as luvas de procedimento em látex e também nitrilo. Em resumo, o incentivo às práticas esportivas e fortalecimento da atuação dos atletas do nosso estado através da Lei do Incentivo ao Esporte é também um incentivo para a saúde.

Com a pandemia de coronavírus, os termos biossegurança e biosseguridade começaram a ser mais utilizados e aplicados em diversas situações. Contudo, ao contrário do que muitas pessoas acreditam e da confusão feita entre as duas áreas de conhecimento, elas atuam em contextos e de formas distintas, mesmo que possuam objetivos similares.

Além disso, não se tratam apenas de cuidados simples como os de prevenção ao Covid-19, mas sim de normas e procedimentos da área da saúde, ciências e segurança do trabalho.

Biosseguridade e biossegurança

Segundo a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a biossegurança é toda a “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente.”

Já a biosseguridade possui três definições possíveis, definidas aqui segundo o cientista e bioquímico Hernan Chaimovich: 1) uma forma de aumentar medidas nacionais contra armas biológicas; 2) uma forma de aumentar e fortalecer os esforços nacionais e internacionais para investigar se há, ou não, alguma doença que possa alterar o sistema social; e 3) uma medida para aumentar a capacidade internacional de responder, investigar e mitigar os efeitos do uso terrorista de toxinas e armas biológicas.

No Brasil, a biosseguridade foca na segunda definição, que também é muito relacionada às normas e procedimentos de segurança da saúde animal, evitando assim problemas de saúde pública. Enquanto isso, a biossegurança relaciona-se com as normas e procedimentos especificamente para a saúde humana.

Os setores que a biossegurança e biosseguridade impactam

A biossegurança é aplicada em unidades de saúde através de normas e procedimentos de arquitetura, dispositivos e materiais, gerenciamento, preparação na coleta e transporte de resíduos, modelos de formulários e segurança alimentar e segurança profissional nas atividades exercidas por cirurgiões; em laboratórios, através de normas e procedimentos de diagnóstico e pesquisa, primeiros-socorros e segurança, parasitologia, trabalho com HIV e modelo de manuais; na manipulação de animais através de normas e procedimentos para animais de laboratórios e animais modificados geneticamente; em radiações através de normas e procedimentos de física nuclear, medicina, blindagem e radioproteção; e, por último, em infecções virais e vacinas através de normas e procedimentos na abordagem de tratamentos de infecções virais como HIV e HTLV, procedimentos de registro e possibilidades de imunoprofilaxia / vacinoterapia e no diagnóstico e tratamento de infecções virais como viroses hepatotrópicas / hepatites.

Já a biosseguridade no Brasil é aplicada na produção de animais, principalmente na indústria avícola e suinícola, através de normas e procedimentos técnicos sanitários, de arquitetura, controle de enfermidades, programas de imunoprofilaxia, controle de localização, visitas e vestimentas, períodos de quarentena de animais, controle de pestes, qualidade da alimentação e água e descarte de resíduos e animais mortos. Ao contrário da biossegurança, as normas e procedimentos da biosseguridade são mais adaptáveis e flexíveis em cada caso.

Acompanhe mais da Supermax Brasil em nossas redes sociais: Supermax Brasil no Facebook // @luvassupermax no Instagram

Fontes:

Biosseguridade – Hernan Chaimovich
Biossegurança, o que é? – Portal Fiocruz
Manual de Biossegurança – Fiocruz
Biosseguridade – Ourofino Saúde

Você sabia que a parte do corpo mais atingida em acidentes de trabalho no Brasil são os dedos? Entre 2012 e 2018 foram registrados mais de 833 mil casos envolvendo dedos e mais de 254 mil envolvendo mãos. O uso de luvas de proteção é importantíssimo e pode evitar muitos problemas.

Confira mais alguns dados sobre acidentes de trabalho e a importância do uso de luvas de proteção em nosso infográfico:

Infográfico Acidentes de trabalho e luvas de proteção

(Se preferir, baixe o PDF aqui)

Acompanhe mais conteúdos da Supermax Brasil em nossas redes sociais: Supermax Brasil no Facebook // @luvassupermax no Instagram

As luvas de proteção da Supermax produzidas em látex ou nitrilo são descartáveis, ou seja, devem ser utilizadas uma única vez. Assim como todo material, devem ser descartadas da forma correta e tomando devidos cuidados para que não haja contaminações. Por isso, é importante aprender a descartar luvas de proteção corretamente.

Profissionais que entram em contato com contaminantes e fluídos corporais rotineiramente já possuem lixo próprio e técnicas de descarte regulamentadas pela ANVISA e pelo CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente). Contudo, algumas profissões que entram em contato com produtos abrasivos – como faxineiros, cabelereiros e até mesmo mecânicos – nem sempre possuem acesso a esses recursos ou sabem como o descarte ideal deve ser feito.

Desse modo, preparamos este post sobre como o descarte “caseiro” (aquele que não necessita de regulamentação) deve ser realizado. Confira o passo a passo:

1. Retirando das mãos

É importante que a luva seja retirada sem que haja contato da sua mão com a parte externa do material. Assim, evita-se a contaminação da sua pele com agentes que podem estar na luva.

Com ambas as mãos enluvadas, comece retirando a luva de sua mão dominante. Segure na parte externa e evite entrar em contato com sua pele. Depois disso, com a mão dominante já sem luva, insira um dedo na parte interna da outra luva e retire-a por completo, evitando tocar na parte externa da luva, conforme imagem acima.

2.  Tipo de descarte ideal

Hospitais e outros locais de saúde possuem lixo próprio e coleta diferenciada para descarte de materiais que possam conter agentes contaminantes, mas geralmente outras profissões e locais não possuem acesso a este tipo de serviço. Mesmo assim, podemos tomar algumas medidas de precaução para que o descarte ideal.

É importante sempre descartar suas luvas de proteção no lixo comum, de preferência em saco fechado. Lembre-se de nunca descartar em lixo aberto, caçambas, depósitos, lixos recicláveis ou locais que deem acesso para que as luvas sejam recolhidas e entre em contato com outras pessoas, como é o caso de quem coleta recicláveis.

3. Enfim, descartando

Após cumprir os passos aqui descritos, jogue suas luvas em um saco de lixo reforçado, evitando que elas entrem em contato com a lixeira e sem que suas mãos entre em contato com as partes externas da luva. Feche o saco e, quando for descartá-lo para que seja levado pelo caminhão de lixo, ensaque com outro para evitar o contato dos trabalhadores que recolhem o lixo com qualquer contaminante.

Após retirar as luvas, lave bem suas mãos com água e sabão e também após o processo de descarte final.

Lembre-se que esta postagem foi criada com intuito de auxiliar profissionais e pessoas que utilizam as luvas fora de ambientes onde o descarte é regulamentado pela ANVISA e pelo CONAMA; as regulamentações devem ser seguidas à risca nos casos onde ela é obrigatória.

Acompanhe mais da Supermax Brasil em nossas redes sociais: Supermax Brasil no Facebook // @luvassupermax no Instagram

É varejista e deseja aumentar suas vendas de luvas e máscaras? Está com receio do impacto da pandemia de coronavírus em sua receita? Nós temos um material perfeito para lhe auxiliar neste momento de incertezas!

A equipe da Supermax Brasil desenvolveu um e-book com 5 dicas preciosas para varejistas que desejam vender mais luvas e máscaras, incluindo tópicos que abrangem desde a exposição correta do seu produto até como realizar vendas online.

A crise de coronavírus não vai durar para sempre, mas seus impactos ainda continuarão por um tempo em nossas rotinas. Os hábitos de consumo mudaram e a tendência é que continuem se adaptando ao novo normal. Sendo assim, é importantíssimo que comerciantes e varejistas estejam preparados para atender o público e suas novas necessidades.

É justamente por isso que queremos ajudar nossos parceiros a manter a relevância no mercado de luvas e máscaras. E é também por isso que estamos disponibilizando esse e-book gratuitamente.

Se você quer estar por dentro das novas tendências e continuar vendendo ou até mesmo aumentar seus ganhos com luvas e máscaras, baixe agora mesmo nosso e-book de forma gratuita:

CLIQUE AQUI

As luvas de proteção são Equipamentos de Proteção (EPIs) que têm se tornado cada vez mais essenciais para diversos tipos de atividades. Elas oferecem mais segurança e conforto para quem as utiliza, além de evitar contaminações. Do salão de beleza até a oficina mecânica, confira alguns benefícios de utilizá-las:

Proteção contra contaminações

Utilizar luvas descartáveis para realizar serviços de beleza como estética, manicure e pedicure, por exemplo, é uma forma de proteger tanto a si mesmo quanto aos clientes. As luvas evitam o contato direto com fluídos corporais e a transmissão de doenças e infecções. Nas oficinas mecânicas, as luvas evitam o contato com fluídos potencialmente contaminantes.

Proteção contra abrasivos

Algumas atividades exigem a utilização de químicos e produtos abrasivos que agridem a pele das mãos, podendo causar manchas e deixarem odores fortes. Um exemplo é o formol utilizado em salões de beleza e os óleos e produtos de limpeza pesada utilizados em oficinas mecânicas.

Profissionalismo

Usar luvas de proteção demonstra mais profissionalismo e seriedade com seu trabalho. Os clientes com certeza notarão que o profissional está preocupado com a saúde e segurança de todos que frequentam o local.

Proteção contra lesões

As luvas auxiliam na proteção contra lesões que podem ser causadas pelo atrito das mãos com equipamentos e esforços repetitivos, atuando como uma camada protetora para que não haja contato direto de objetos e substâncias com a pele.

Higiene

Luvas de proteção também são uma questão de higiene. Em época de coronavírus, todo mundo já está cansado de saber que precisamos sempre manter uma boa higiene e evitar entrar em contato com nariz, olhos e boca sem antes lavar as mãos. Nos salões de beleza, as luvas evitam que haja o toque direto das suas mãos com o cliente, o que pode causar desconforto em serviços como, por exemplo, maquiagem ou design de sobrancelha. Já nas oficinas, evita que haja contato direto com superfícies e peças sujas e que podem já ter passado por diversos lugares.

Como podemos observar, seja para oficina mecânica ou salão de beleza, as luvas de proteção sempre são as melhores opções para manter um trabalho seguro e confiável. Este EPI oferece diversas possibilidades e mostra-se flexível para vários tipos de atividades, sendo muitas vezes indispensável.

No próximo post falaremos sobre a forma correta de descartar as luvas de proteção, então fique ligado e nos acompanhe em nossas redes sociais: @luvassupermax / Facebook

O ar que respiramos possui muitos contaminantes suspensos, não somente vírus da gripe. Podemos observar que, mesmo após a pandemia de Covid-19, o uso de máscaras vai se tornar cada vez mais comum. Por isso, é importante conhecermos quais as máscaras disponíveis no mercado e quais as diferenças entre cada uma delas.

1. Quais as diferenças entre a máscara de tecido, a cirúrgica e a PFF2/N95?

As máscaras de tecido são utilizadas para minimizar a contaminação do ambiente com secreções respiratórias. Não possuem filtro mas reduzem o alcance um espirro ou tosse. Elas devem ser lavadas com água e sabão.

Já as máscaras cirúrgicas são indicadas para uso de Trabalhadores da Saúde, com objetivo de protegê-los e também a terceiros de infecções por inalação de gotículas maiores que micropartículas transmitidas a curta distância. As máscaras cirúrgicas possuem um elemento filtrante mas não oferecem proteção contra aerossóis.

Por fim, as máscaras PFF2/N95 são respiradores com capacidade de reter gotículas e contaminantes em forma de aerossóis. Elas oferecem vedação adequada sobre a face do usuário, proporcionando ainda mais proteção.

2. O que significam as siglas PFF1, PFF2 E PFF3?

PFF significa Peça Facial Filtrante. As siglas PFF1, PFF2 e PFF3 indicam o tipo de filtro contido na máscara. Classificações dos filtros segundo a FUNDACENTRO:

PFF1 / P1: Poeiras e/ou Névoas (aerossóis mecanicamente gerados)

PFF2 / P2: Agentes Biológicos e/ou Fumos (aerossóis termicamente gerados)

PFF3 / P3: Particulados altamente tóxicos (LT<0,05 mg/m³) e/ou de toxidez desconhecida

3. O que são névoas, poeiras e fumos?

As névoas são constituídas por gotículas de líquidos em suspensão na atmosfera. Já as poeiras são formadas quando um material sólido é quebrado, moído ou triturado e são as mais comuns em ambientes de trabalho. Os fumos são originados quando um metal ou plástico é fundido e resfriado, o que cria partículas que ficam suspensas no ar.

3. Mas e o vírus Covid-19?

De acordo com o Ministério da Saúde, o vírus Covid-19 é transmitido através de toque ou aperto de mão, gotículas de saliva, espirro, tosse, catarro e objetos ou superfícies contaminadas.

A máscara PFF2/N-95 tem capacidade de proteger o usuário da contaminação por gotículas infectadas pelo coronavírus. Devem ser utilizadas em procedimentos com risco de geração de aerossóis como intubação ou aspiração traqueal, ventilação não invasiva, ressuscitação cardiopulmonar, ventilação manual antes da intubação, coletas de secreções nasotraqueais e broncoscopias.

4. O que significa dizer que a máscara PFF2 é um respirador sem manutenção?

Um respirador sem manutenção é um tipo de respirador que não deve ser alterado, higienizado ou aplicado qualquer tipo de manutenção. A própria peça facial é filtrante e descartável. Ele deve ser trocado sempre que se encontrar perfurado, rasgado, com elástico solto ou em qualquer outro caso de saturação.

5. Porque não tem válvula de exalação?

A válvula de exalação não é apropriada para ambientes propícios à contaminações, pois dá espaço para que gotículas infectadas sejam despejadas no ambiente.

6. Qual a diferença entre o respirador PFF2 e o N95?

Os respiradores PFF2 seguem a norma brasileira (ABNT/NBR 13698:1996) e europeia, apresentando eficiência mínima de filtração de 94%. Os respiradores N95 seguem a norma americana e apresentam eficiência mínima de filtração de 95%.

7. Para que serve o face shield?

O face shield complementa a proteção das máscaras, cobrindo todo o rosto e oferecendo mais segurança e conforto. Ele impede que gotículas sejam lançadas no ambiente ou inaladas pelo usuário.

Agora que você tirou várias dúvidas sobre as máscaras de proteção, confira as novidades no portfólio da Supermax Brasil: máscara PFF2 e face shield, produtos nacionais e à pronta-entrega. Entre em contato com nossa equipe de vendas e saiba mais: comercial@supermax-brasil.com ou 0800 600 8880.

A Supermax Brasil está com mais dois produtos em seu portfólio: as luvas de procedimento Sonic Nitrilo Powder Free e as Toalhas Umedecidas Supermax.

As luvas Sonic Nitrilo são as queridinhas dos médicos nos Estados Unidos, sendo a principal escolha para utilização em hospitais, clínicas veterinárias ou odontológicas, laboratórios, estúdios de tatuagem, salões de beleza e estética e até mesmo para manipulação de alimentos. As luvas Sonic não têm pó, são livres de látex, são microtexturizadas nas pontas dos dedos – conferindo maior aderência ao utilizar utensílios – e oferecem ótima proteção contra agentes biológicos. Além disso, possuem um diferencial incrível: são extremamente confortáveis e oferecem alta sensibilidade ao toque. As luvas Sonic Nitrilo são comercializadas em cartuchos com 100 unidades, nos tamanhos P/M/G e na cor azul cobalto.

Toalhas e Luva Sonic Supermax

Já as Toalhas Umedecidas Supermax voltaram ao portfólio repaginadas e para ficar: destinadas para limpeza geral, elas são super práticas e muito eficientes. Contêm álcool 73% e podem ser usadas em bancadas, mesas, superfícies de metal, acrílico, plásticas ou revestimentos de pisos, azulejos, vidros e fórmicas. Seus diferenciais incluem a gramatura especialmente projetada para absorver mais álcool e o fato do produto ser eco-friendly, dispensando o uso de água. As Toalhas Umedecidas Supermax são perfeitas para limpeza de consultórios, clínicas, escritórios, salões de beleza e de estética, indústrias e até de ambientes domésticos. Comercializadas em tubos com 25 toalhas cada ou baldes com 150 toalhas cada, embalagens que conferem mais facilidade na limpeza.

A Supermax se preocupa com o momento e acompanha o mercado, mantendo uma tradição de inovação e qualidade. Gostou dos nossos produtos? Entre em contato agora mesmo com nosso setor comercial e faça seu orçamento: comercial@supermax-brasil.com / 0800 600 8880.

O “novo normal” pós-pandemia de coronavírus vai exigir um cuidado maior por parte de profissionais de todas as áreas. Muitos vão começar a aderir ao uso de luvas de proteção e outros vão redobrar a atenção na utilização deste Equipamento de Proteção Individual (EPI).

Confira alguns fatos e alguns mitos sobre a utilização de luvas de proteção:

Luvas descartáveis proporcionam maior custo-benefício: FATO

As luvas reutilizáveis, aquelas de borracha que você encontra nos supermercados, podem parecer mais econômicas, mas não se engane: o desperdício de água e material para higienizá-las após sua utilização acaba pesando na conta. Além disso, é necessário despender de mais tempo para fazer essa higienização, que poderia ser usado para continuar o fluxo de trabalho.

Quando você utiliza luvas descartáveis não precisa investir tempo nem recursos hídricos, basta utilizar e descartar da maneira correta. Ou seja, muito mais praticidade para seu dia a dia.

O uso de luvas substitui a higienização das mãos: FAKE

Mesmo com as mãos protegidas pelas luvas, é necessário sempre higienizá-las antes e depois de utilizar o EPI. Uma boa lavagem com água e sabão ou álcool gel 70% é essencial mesmo com o uso de luvas.

Luvas reutilizáveis de borracha podem proliferar bactérias: FATO

O uso constante de uma luva reutilizável pode acabar causando a proliferação de bactérias, fungos e vírus. Se o usuário entrar em contato com um desses agentes externos e a higienização interna e externa não for feita corretamente, a tendência é que os microorganismos patológicos se instalem na luva e se reproduzam.

Com as luvas descartáveis você evita este problema, elas são de uso único.

O pó usado nas luvas da Supermax causa alergia: FAKE

O pó presente nas luvas da Supermax é o amido de milho. Ao não ser que você tenha alergia especificamente ao amido de milho, ele não lhe causará nenhum tipo de irritação. O que realmente causa alergia é o látex e outros compostos químicos presentes nas luvas. O pó atua como um condutor, fazendo com que as mãos tenham ainda mais contato com o látex.

Para resolver este problema a Supermax tem em seu portfolio luvas Powder Free com baixíssimo teor de látex e também nitrílicas (fabricadas em borracha natural, portanto sem látex).

Luvas de látex possuem mais elasticidade que as de nitrilo: FATO

As luvas feitas de látex possuem mais elasticidade do que as de borracha nitrílica, mas não quer dizer que possuem mais ou menos qualidade e resistência. Esse é um fato ligado apenas à composição do material.

Agora que você já sabe alguns fatos e mitos sobre as luvas de proteção, conheça todos os produtos da Supermax Brasil e entre em contato agora mesmo com uma de nossas vendedoras para fazer seu orçamento.